Rua Pe. Martinho Pinto da Rocha São Tomé, São Tomé e Príncipe
+239 2223455

Procissão do Encontro marca o início da Semana Santa

É um momento que nos deve levar a pensar nos encontros e desencontros com que nós nos vamos confrontando na nossa vida do dia-a-dia.

 

É um momento que nos deve levar a pensar nos encontros e desencontros com que nós nos vamos confrontando na nossa vida do dia-a-dia.” (D. Manuel António dos Santos)

 

 

Na última sexta-feira, dia 12 de abril, aconteceu a tradicional procissão do Encontro. Da Igreja da Conceição saiu o cortejo com a imagem do Senhor Bom Jesus dos Passos e da Sé Catedral o cortejo com a imagem de Nossa Senhora das Dores. Meditando os passos da Via Crucis, a quarta estação aconteceu na Praça da Liberdade.

Recordando o doloroso encontro de Nosso Senhor com a Sua Mãe Santíssima, D. Manuel António, no Sermão do Encontro, sublinhou que este é um momento que “nos deve levar a pensar nos encontros e desencontros com que nós nos vamos confrontando na nossa vida do dia-a-dia”. Para todos nós é chamativo viver um quadro de Maria chorando a morte de seu Filho inocente. Não há dor maior que a dor de uma mãe sofrendo a dor do seu filho. O Bispo recordou também hoje Jesus continua a ser condenado nos pobres que são esmagados e oprimidos, nos filhos da nossa terra que vivem a dor e o sofrimento nas suas vidas, nas situações de pobreza e miséria. Jesus sofre dentro das nossas casas, nas nossas aldeias, na nossa terra, nas várias situações de guerra e de violência que se vive no mundo todo.

A Procissão acompanhada de um grande número de fiéis seguiu para a Igreja da Conceição, onde a imagem de Nossa Senhora das Dores permanecerá até a sexta-feira da Paixão do Senhor, aquando sairá em cortejo solene com o esquife do Senhor Morto para a Sé Catedral.

Conforme uma antiga tradição, na paraliturgia do Encontro, fazemos memória do momento em que Nossa Senhora encontra o seu Filho Divino carregando a cruz no caminho do Calvário, pelas ruas de Jerusalém, depois de ser flagelado, coroado de espinhos e condenado à morte por Pilatos. É um momento em que meditamos o doloroso encontro da Virgem Maria com Jesus; um momento de profunda reflexão sobre as dores da Mãe de Jesus, desde o Seu nascimento até a Sua morte na Cruz. Jesus sofreu a Paixão; a Virgem sofreu a compaixão por nós.