Rua Pe. Martinho Pinto da Rocha São Tomé, São Tomé e Príncipe
+239 2223455

Comunicado Final da Comissão Episcopal da Pastoral Bíblica – CEAST

De 1 a 5 de julho de 2019, decorreu na Arquidiocese de Luanda, a Semana Bíblica Nacional, subordinada ao tema: “A Juventude e a fé celebrada”, com o lema: “Jovem, hoje quero ficar em tua casa”. 

De 1 a 5 de julho de 2019, decorreu na Arquidiocese de Luanda, a Semana Bíblica Nacional, subordinada ao tema: “A Juventude e a fé celebrada”, com o lema: “Jovem, hoje quero ficar em tua casa”.

As atividades foram abertas na manhã do dia 2 de julho de 2019, com a Celebração Eucarística, presidida por Sua Excelência Reverendíssima Dom Dionísio Hisiilenapo, Bispo da Diocese do Namibe e Presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Bíblica. Participaram nesta Semana Bíblica Nacional 41 delegados vindos das Arquidioceses de: Luanda, Lubango e Huambo e das Dioceses de: Cabinda, Benguela, Namibe, Luena, Viana, Malanje, Caxito, Uige e Sumbe.

As sessões tiveram em foco cinco temas:

  1. Mensagem dos Bispos da CEAST, apresentada por Dom Dionísio Hisilenapo, Bispo da Diocese do Namibe e Presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Bíblica;
  2. A dança na celebração com base na Bíblia, apresentado pelo Rev.do Pe. Israel José Ndumbu, Missionário Claretiano.
  3. Celebrar a fé a partir das bodas de Caná (Jo 2, 1-11): “os discípulos creram n´Ele”, apresentado pela Ir. Isabel Alfaro, Mercedária da Caridade.
  4. Abraão, modelo de uma fé vivida e celebrada (Gl 3, 6-9): “os que dependem da fé são abençoados como o crente Abraão, apresentado pelo Frei Inácio Catulo Cassoma, OFMCap;
  5. Celebrar a fé com as obras de caridade (Tg 2, 14-26): “a fé sem obras é morta” (v. 26b), apresentado pelo Rev.do Pe. André Macala, Sacerdote Diocesano de Benguela;

 

Da Semana Bíblica, entre debates, discussões e plenárias, saíram as seguintes conclusões, constatações e recomendações:

a) Conclusões:

  1. Que a pastoral seja mais abrangente, não a reduzindo apenas a pequenos grupos, mas que haja uma Animação Bíblica de toda a Pastoral (VD 73), fazendo da Bíblia a alma da ação apostólica.
  2. As famílias têm de ser lugares da primeira catequese, onde se educa para a fé e se transmitem os valores humanos.
  3. A importância e a necessidade de se frequentar as faculdades de teologia, a fim de se favorecer uma sólida formação bíblica/teológica.
  4. A dança na celebração não é uma invenção dos povos africanos. Ela tem uma fundamentação bíblica que perpassa as Escrituras.
  5. A importância da humildade e da obediência na celebração da fé, à luz das bodas de Caná, onde, por obediência de Maria e dos serventes, aconteceu o sinal (Cf. Jo 2,1-11).
  6. Abertura ao diálogo com os irmãos de outras denominações religiosas, evitando, assim, a marginalização dos mesmos.
  7. Celebrar a fé é viver os sacramentos, pois, quem acolhe o Evangelho, cristifica-se, porque se identifica com Cristo e, por isso, viverá para servir a comunidade (Cf. Tg 2,14-26).
  8. Implementação dos resultados dos encontros nacionais da pastoral bíblica em todas as dioceses, pois, a Bíblia é o coração da Igreja.

 

b) Recomendações:

  1. Como Igreja, fomos convocados a viver, em 2020, o Ano da Palavra de Deus, já que é o ano em que se celebram os 50 anos de existência da FEBIC (Federação Bíblica Internacional Católica) e os 1600 anos da morte de São Jerónimo, tradutor da Bíblia para o Latim, conhecida como Vulgata.
  2. Realização do II Simpósio da Pastoral Bíblica – CEAST, no mês de setembro de ano 2020 (data a ser confirmada), em Luanda, precedido por pré-simpósios diocesanos sob a coordenação do Secretariado da Comissão Bíblica Nacional;

 

c) Sugestões:

  1. Criar equipas de tradução da Bíblia para as línguas locais.
  2. Preparar e enquadrar um animador bíblico em cada movimento, associações, organismos e grupos apostólicos nas paróquias para dinamizar a Pastoral Bíblica.

3. Promover concursos bíblicos e jograis em todas Dioceses.

  1. Criar aplicativos, cartazes, jogos bíblicos e gravar a Bíblia nas várias línguas nacionais para ser ouvida em casa, no carro, no trabalho, etc.

5. Criar comissões paroquiais de pastoral bíblica, onde não houver.

  1. Implementar a coleta do último Domingo de Setembro (dia de São Jerónimo), em prol da Pastoral Bíblica Episcopal.
  2. No ano da Palavra de Deus (2020): organizar equipas de animação nos vários níveis (nacional, diocesano e paroquial), dedicar um Domingo por mês para animação bíblica, organizar novenas, a leitura sequencial de toda a Bíblia, etc.

Como discípulos e missionários, assumimos o desafio de celebrar a fé, fazendo da nossa vida uma liturgia contínua. Alimentados pela Palavra de Deus, comprometemo-nos na “sequela Christi”, no seguimento sincero e de conversão de coração a Jesus Cristo, encontrando na Palavra a luz que ilumina toda a Pastoral da Igreja, o pulmão de toda a vida eclesial.

 

Luanda, aos 05 de julho de 2019.