Rua Pe. Martinho Pinto da Rocha São Tomé, São Tomé e Príncipe

16ª Semana – Segunda-feira – T.C.

FED84343-6E7F-480C-BE48-7245A6CD264C

Mt 12, 38-42

Esta geração perversa e infiel pretende um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado…”

Eles querem um sinal do Mestre. Quando queremos que Deus nos dê um sinal, significa que não temos confiança n’Ele, a nossa busca religiosa não é mais autêntica e corremos o risco de cair na economia do sucesso, rejeitando aquela humilde do reino.

Ademais, aqueles que decidem amar não precisam mais de sinais.  Ele os acolhe como dom e confirmação.

É por isso que o Senhor não aceita esse modo de ser e estar e o critica severamente: “geração perversa e infiel pretende um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado”, uma geração que não tem o olhar fixo em Deus, que não se deixa arriscar e teme em se abandonar à fé pura.

Em vez disso, Jesus ensina uma economia de fé que sabe aceitar o fracasso de um projeto. Ele denuncia esse pedido de sinais que chega ao ponto de eliminar a verdadeira busca do Deus único, e que é, portanto, uma idolatria sempre presente no coração humano.

Caríssimos, Deus dá sinais para aqueles que não os esperam e, no presente momento de peregrinação, Ele está disposto a andar na penumbra.  Os seus sinais típicos são o contrário daqueles que se esperaria.  E isto vos servirá de sinal: encontrareis um recém-nascido, envolto em faixas e deitado numa manjedoura” (Lc 2,12), dizem os anjos aos pastores de Belém.

Para aqueles que buscam grandes sinais, Ele anuncia um pequeno sinal;  neste sinal, em vez de ser um Deus tremendo, Ele anuncia uma criança trêmula;  em vez de poderoso, um Deus na manjedoura.

Para aqueles que buscam sinais espetaculares, Ele, sinal definitivo, promete o sinal, eu diria contra-sinal, da sua morte na cruz, que no entanto revela o próprio poder de Deus. Obviamente a ressurreição também é evocada, mas incluída na morte por amor, na absoluta confiança que o Filho tem no Pai. 

 Que surpresa! Só nos resta fazer nossa esta oração dos apóstolos: “Senhor aumenta a nossa fé” (Lc 17,5).

Boa meditação e bom início da Semana, caríssimos. JB

Leave a comment