Rua Pe. Martinho Pinto da Rocha São Tomé, São Tomé e Príncipe

S. Bartolomeu, Apóstolo

BAA367D4-DAE0-4A2D-8167-DB0E7F6347DA

Jo 1, 45-51

“…Eis um verdadeiro israelita, em quem não há fingimento

 

Bartolomeu de Caná da Galiléia também era chamado de Natanael. O encontro com Jesus é relatado apenas pelo Evangelho de João.

Nele coexistem desconfiança e espanto.  Filipe vai ao encontro de Natanael perto de uma figueira, a árvore sob a qual as Escrituras eram meditadas: “da doçura do figo à doçura da alma”, diziam os Rabinos.

Bartolomeu se opõe a Filipe quando, deste, vem a saber que o Messias é Jesus de Nazaré, uma pequena vila em Israel nunca mencionada na Bíblia: “De Nazaré pode vir alguma coisa boa?

O encontro com Jesus, todavia, exalta a honestidade e autenticidade de Bartolomeu: “Eis um verdadeiro israelita, em quem não há fingimento”. Diríamos, homem sem pele na língua, o que pode parecer um fofoqueiro, mas Jesus vê as coisas do lado positivo.

Ademais, onde está escrito que para ser santo é preciso ter um bom caráter?  Um santo não é necessariamente um homem medido nas suas emoções.

Também existem santos de caráter difícil … mas Jesus será capaz de transformar até os limites da sua pessoa em virtude. Ele é o oleiro que vendo o defeito do vaso, o coloca de volta na roda e o molda novamente.

Assim, Jesus ganhará um novo apóstolo para o seu Reino: Bartolomeu será franco, não cerimonioso, e manterá as costas retas. Jesus aumentará e valorizará as suas qualidades.  Ele faz o mesmo conosco: nos veste com a sua santidade, mesmo que tenhamos óbvios limites.

Suplicando, portanto, a intercessão de São Bartolomeu, façamos nossa oração esta estrofe do canto “O vaso novo”:  Eu quero ser, Senhor amado; Como um vaso nas mãos do oleiro; Quebre a minha vida e faça de novo; Eu quero ser, eu quero ser um vaso novo”.

Boa meditação, caríssimos. JB

Deixe um comentário