Rua Pe. Martinho Pinto da Rocha São Tomé, São Tomé e Príncipe

24ª Semana – Sexta-feira – T.C.

AEBCD91D-E5F2-42F0-B903-451A1DAB35FB

Lc 8,1-3

“… acompanhavam-n’O os Doze, bem como algumas mulheres…

 

Graças a estes três versículos de Lucas, ficamos a saber que no grupo de discípulos mais próximos também havia algumas mulheres que viviam com Jesus como seguidoras itinerantes.

Acompanhavam-n’O os Doze, bem como algumas mulheres …”: Maria Madalena, Joana, mulher de Cuza, Susana e muitas outras. Não eram apenas ouvintes da sua Palavra ou destinatárias dos seus milagres, mas sim mulheres que Jesus acolheu, redimiu, amou, restaurou a sua dignidade e confiança, fazendo-as tornar livres, novas e fervorosas.

Essas mulheres não eram empregadas domésticas do grupo dos Doze, mas autênticas colaboradoras de Jesus, ajudando-O com os seus bens, exercendo tarefas de assistência em relação a Ele e aos apóstolos que, mais tarde, na comunidade apostólica, se torna um serviço de atencioso e caloroso acolhimento.

A algumas, pois, Jesus confiará a tarefa de levar a grande notícia aos Doze, isto é, a sua ressurreição dentre os mortos. Elas serão mulheres testemunhas da ressurreição.

E isso não era permitido na cultura de então, pois nela a mulher não tinha direito de falar em público, nem de sair de casa sozinha, nem de dormir fora de casa, servindo apenas para a procriação, sendo considerada ritualmente inferior em relação aos homens.

E Jesus quebra decisivamente esses esquemas culturais, realizando paridade de géneros, dando oportunidades iguais e ensinando as mulheres a viver livres, superando as barreiras culturais, despertando a crítica e a malevolência de alguns seus contemporâneos.

Ninguém está excluído do Reino de Deus, se ao mesmo reino confiar “os seus bens”, a mente e o coração, mas também as suas angústias: o mal que o ameaça, a doença, … o mesmo pecado!  Com efeito, estes foram vencidos por Aquele que proclamou e se revelou, por excelência, Vida e Ressurreição (cf. Jo 3, 16).  Pois, como Paulo nos garante, “não há mais judeu ou grego, escravo ou livre, homem ou mulher, pois todos vós sois um só, em Cristo Jesus” (Gl 3, 28).

Que o Senhor nos conceda um coração são, curado das feridas do desamor, infligidas e sofridas;  um coração que esteja ao Seu lado, que n’Ele respira e é por Ele consagrado às urgências do Reino na gratuidade e na alegria.

Boa meditação e bom fim da Semana, caríssimos. JB

Deixe um comentário