Rua Pe. Martinho Pinto da Rocha São Tomé, São Tomé e Príncipe

S. Mateus, Apóstolo e Evangelista

IMG_5292

As relíquias de São Mateus, o cobrador de impostos que se tornou apóstolo e provável autor do homónimo Evangelho dirigido aos cristãos de origem judaica, encontram-se em Salerno (Itália).

O destino do seu Evangelho é curioso: por um milênio, acreditou-se que Mateus era o primeiro dos Evangelhos e que Marcos – mais curto – era o seu resumo. Na realidade, hoje sabemos que foi o próprio Marcos quem primeiro escreveu um Evangelho (anos 55-60 d.C.) e que Mateus (ano 70 d.C.) escreveu um texto semelhante ao de Marcos, mas com outras diferentes fontes.

A destruição do templo em Jerusalém (ano 70 d.C.) causou um choque nos cristãos de origem judaica, como se a Basílica de São Pedro em Roma fosse hoje destruída. Eis a resposta de Mateus: o templo já não existe, a presença de Deus já não está no templo, mas agora está Jesus, Deus connosco (cf. Mt 1, 23), vivo e presente na Eucaristia.

 

Mt 9, 9-13

Segue-Me! … Eu não vim chamar os justos, mas os pecadores”.

 


O apelo feito a Mateus é o convite de Jesus dirigido a cada um de nós: “Segue-Me!”, escuta as minhas palavras, vive o amor misericordioso.

Mateus ou Levi (cf. Lc 5,27-32; Mc 2,14-17), como nós, é um pecador, ou melhor, é considerado um dos maiores malfeitores porque vive explorando os outros… “sentado no posto de cobrança de impostos”.  Mas Jesus não olha para o seu passado, antes pelo contrário, Ele aponta diretamente para o seu futuro, para o que Mateus pode se tornar.  Ele vê nele uma pessoa que, no segredo do seu coração, tem fome e sede de amor e de salvação, portanto, alguém que deve ser redimido.

E o cobrador de impostos deixa de lado a lógica de “deve e haver”, e vai atrás de Jesus, sem nada calcular, nem se perguntando para onde vai. Deixa todos, depois de ter conhecido o Tudo – “Segue-Me”. A pessoa de Jesus é a causa, o sentido, o horizonte; portanto, ele se converteu a Jesus porque viu Jesus “convertido” a ele.  A fé é antes de tudo uma festa. Na verdade, a casa de Mateus encheu-se com seus amigos da folia.

E disto tudo, como não gloriar com Mateus e por Mateus? Daí a afirmação de Jesus: “não vir chamar os justos, mas os pecadores”. Pois, “prefiro a misericórdia ao sacrifícios”, dirá Ele. Religião não é sacrifício, nem a mortificação em si a louvar a Deus, mas sim, é comunhão e uma vida nova, aberta e entusiástica.

Sim, Levi, finalmente, aprendeu o que significa misericórdia e não sacrifício. Ele entendeu em primeira mão o que significa oportunidade de mudança.  Porque, como pecadores, ninguém é digno de Deus, e se Ele vem a nós, livremente O acolhemos.  Pois Ele vem em busca do pecador que sou, não para absolver uma lista de pecados, mas para tornar sua a minha fraqueza, ali se encarnar e recriar.

Bem-aventurada fraqueza, “pois, quando estou fraco, então é que sou forte” (2 Cor 12,10).  E Mateus teria dito como Santo Agostinho: “Tarde te amei, ó beleza tão antiga e tão nova! Tarde demais eu te amei! Eis que habitavas dentro de mim e eu te procurava fora… Tu me chamaste, e teu grito rompeu a minha surdez”.

Nós também fomos e somos e seremos sempre chamados pelo Senhor para experimentar a cura interior. Ele usa as nossas experiências para se fazer presente, as nossas vicissitudes para atrair os que não acreditam. E saibais disto, caríssimos: os maiores milagres de Jesus não são aqueles que curam o corpo, mas aqueles que curam o espírito e transformam as criaturas temerosas em testemunhas invencíveis.

E assim, Ele o faz com Levi, que se tornará Mateus (Simão que se torna Pedro, Saulo que se torna Paulo, etc.);  Ele o faz com qualquer um que se permite converter.

Que o Senhor, com a sua infinita misericórdia, venha ao encontro da nossa pobreza e pequenez, pois, meditando a vocação de S. Mateus, também almejamos ser pecadores perdoados. 

Boa meditação, caríssimos. JB

Comments (1)

Ele o faz (transformou) com Levi, que se tornará Mateus (Simão que se torna Pedro, Saulo que se torna Paulo, etc.)
E rezemos para que a nossa transformação possa dar muitos e bons frutos como foi com nossos predecessores.
Rogai por nós Mateus!

Deixe um comentário